COP 25: Mercados de carbono serão foco das discussões na COP 25

Você já conhece sobre nossos projetos (e pode conhecer mais sobre eles aqui no nosso site), e sabe como eles auxiliam na redução de emissões de gases de efeito estufa, desmatamento e sustentabilidade a longo prazo, com benefícios para a comunidade. São  projetos como estes que emitem crédito para o mercado de carbono, um dos assuntos principais da COP 25.

Os projetos são financiados por indivíduos e empresas do outro lado do mundo que compram os assim chamados créditos de carbono, cada um equivalente a uma tonelada de CO2, para compensar as emissões de em seus países de origem.

Essa é apenas uma das maneiras como o CO2 é comercializado em todo o mundo, e um dos modelos de mercado de carbono que será discutido pelos negociadores na Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre as Mudanças Climáticas (COP 25), em Madri. O objetivo é chegar a um quadro regulatório para um sistema de mercado de carbono, uma questão complexa prevista no Artigo 6º do Acordo de Paris sobre o Clima.

Quase 200 países ratificaram o histórico acordo sobre o clima que visa limitar o aquecimento global a 2ºC acima dos níveis pré-industriais até o final do século 21, sendo o nível ideal 1,5ºC. Entretanto, as metas atuais de redução estabelecidas por cada país – chamadas de Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs, na sigla em inglês) – fazem com que ambos objetivos sejam considerados irreais. Com base nos números atuais, especialistas projetam um aumento da temperatura global de ao menos 3ºC.

Em Madri, serão discutidos dois sistemas diferentes de comercialização de carbono. O primeiro visa permitir aos países que excederem suas metas climáticas vender os excessos para as nações que enfrentam dificuldades em atingir seus próprios objetivos.

Fonte: https://g1.globo.com/natureza/noticia/2019/12/02/mercados-de-carbono-serao-foco-das-discussoes-na-cop-25-dizem-especialistas.ghtml

You already know about our projects (and can learn more about them here at our website), and know how they help reducing ghg emissions, deforesting and long term sustainability, with benefits for the entire community. Projects like these produce credits for the carbon market, one of the main subjects of COP 25.

The projects are funded by individuals and companies across the world who buy the so-called carbon credits, each equivalent to one ton of CO2, to offset emissions from their home countries.

This is just one of the ways CO2 is traded worldwide, and one of the carbon market models that will be discussed by negotiators at the UN Climate Change Conference (COP 25) in Madrid. The aim is to arrive at a regulatory framework for a carbon market system, a complex issue foreseen in Article 6 of the Paris Climate Agreement.

Nearly 200 countries have ratified the historic climate agreement aimed at limiting global warming to 2 ° C above pre-industrial levels by the end of the 21st century, with the optimum level being 1.5 ° C. However, the current reduction targets set by each country – called Nationally Determined Contributions (NDCs) – make both goals unrealistic. Based on current figures, experts project a global temperature rise of at least 3ºC.

In Madrid, two different carbon trading systems will be discussed. The first aims to enable countries that exceed their climate goals to sell excesses to nations that are struggling to achieve their own goals.

 

Voltar para o blog

Assine a nossa newsletter

Somos pioneiros em Gestão Climática e geração de créditos de carbono com impacto positivo.